Longest-Sea-Bridge-China-1

Maior ponte do mundo sobre o mar na China – Qingdao Haiwan Bridge

A China inaugurou a maior ponte do mundo – a Ponte Qingdao Haiwan, com um comprimento de quase 42 quilómetros que demoraram quatro anos a serem concluídos e representaram um custo de mais de mil milhões de euros.

 

A ponte, projetada pelo Shandong Gausu Group, faz a ligação entre a cidade e os subúrbios de Huangdao, na baía de Jiazhou, diminuindo a distância entre as cidades em cerca de 30 minutos.

[cetsEmbedGmap src=http://maps.google.pt/maps?q=airport&hl=pt-PT&ll=36.173218,120.301666&spn=0.078154,0.154324&sll=36.1613,120.298061&sspn=0.078166,0.154324&t=h&radius=5.17&z=13 width=100% height=300 marginwidth=0 marginheight=0 frameborder=0 scrolling=no]

 

A baía de Hangzhou é um dos maiores golfos do mundo e possui ventos e ondas fortes, dificultando os trabalhos de construção. As correntes mudam constantemente de direcção e há bolsas de gás no fundo do mar. Para fazer face a estes desafios, foram realizados na área vários estudos de exploração e investigação científica.

 

 

 

A ponte é sustentada por mais de 5 mil pilares e na sua construção, foram incorporadas:

  • 450,000 toneladas de aço – suficiente para quase 65 Torres Eiffel
  • 2.300.000 metros cúbicos de betão – o equivalente a encher 3,800 piscinas olímpicas

 

[hr]

A construção da ponte está associada à construção de um túnel submarino – Qingdao Jiaozhou Bay Undersea Tunnel, com uma extensão de 7,8 quilómetros (3950 metros do comprimento total estão abaixo do nível do mar), que demorou um pouco mais de quatro anos a ser contruído – desde maio de 2007.

 

 

maior ponte do mundo, Ponte Qingdao Haiwan, nome da maior ponte do mundo, pontes sobre o mar, pilares das pontes construídas no mar, olimar@bmpar com br loc:PT, ponte sobre o mar do mundo na china,

  • MARCELO CAETANO SALES

    Pelo que vi tem luzes demais e desnecessárias q só servem pra aumentar o consumo e sem falar no super-hiper-faturamento dessa obra q não tem nada demais em seus poucos metros de extensão. Agora vejam isto:

    Há uma semana, o governo da China inaugurou a ponte da baía de Jiaodhou, que liga o porto de Qingdao à ilha de Huangdao. Construído em quatro anos, o colosso sobre o mar tem 42 quilômetros de extensão e custou o equivalente a R$2,4 bilhões.
    Há uma semana, o DNIT escolheu o projeto da nova ponte do Guaíba, em Ponte Alegre , uma das mais vistosas promessas da candidata Dilma Rousseff. Confiado ao Ministério dos Transportes, o colosso sobre o rio deverá ficar pronto em quatro anos. Com 2,9 quilômetros de extensão, vai engolir R$ 1,16 bilhões.
    Intrigado, o matemático gaúcho Gilberto Flach resolveu estabelecer algumas comparações entre a ponte do Guaíba e a chinesa. Na edição desta segunda-feira, o jornal Zero Hora publicou o espantoso confronto númerico resumido no quadro abaixo:

    Os números informam que, se o Guaíba ficasse na China, a obra seria concluída em 102 dias, ao preço de R$ 170 milhões. Se a baía de Jiadhou ficasse no Brasil, a ponte não teria prazo para terminar e seria calculada em trilhões. Como o Ministério dos Transportes está arrendado ao PR, financiado por propinas, barganhas e permutas ilegais, o País do Carnaval abrigaria o partido mais rico do mundo.
    Corruptos existem nos dois países, mas só o Brasil institucionalizou a impunidade. Se tentasse fazer na China uma ponte como a do Guaíba, Alfredo Nascimento daria graças aos deuses se o castigo se limitasse à demissão.
    Dia 19/07/11, o Tribunal chinês sentenciou a execução
    de dois prefeitos que estavam envolvidos em desvio
    de verba pública.

    (Adotada esta prática no Brasil, teríamos que eleger um Congresso por ano)

  • valter resende

    gostaria de expressar meu pensamento raciocina comigo,aki no ES eles gastaram 250 milhoes para tentar ampliar a rodovia do contorno isto em 10 anos nao conseguiram,se colocar na ponta do lapis ja gastaram mais de 1 bi e nao terminaram me diz awe quanto esses cabras gastariam para contruir uma ponte dessas aki,e quantos anos levariam,socorro obama,aki e celero de terrorismo

  • jhenny

    Cedo terão notado os detentores do poder que a realização de monumentais e majestosas obras mais facilmente podia servir de legitimação política do que muitas outras iniciativas.

    A realização de uma grande obra requer a força de milhares de trabalhadores. Algo que não poderia ser realizado pelo indivíduo, pela família ou pela comunidade, pode materializar-se através da união de esforços de toda uma sociedade.

    Não terá sido por mero acaso que os detentores de poder, nas civilizações antigas, impuseram a realização de monumentos que tinham tanto de maravilhoso e deslumbrante quanto o tinham de aterrador e majestático: a Grande Muralha da China, mausoléus e Pirâmides (em várias civilizações), os jardins suspensos da Babilónia, templos a todos os deuses, etc, etc.

    Sabemos hoje que não se devia ao acaso o facto das igrejas serem os edifícios mais altos em cada localidade. À sua maneira, traduzia o mesmo princípio: a monumentalidade como representação, marca e legitimação do poder. O monumento (religioso, mortuário, militar, político…) era a expressão da insignificância do indivíduo (ainda para mais analfabeto e temeroso), da família ou da comunidade perante os poderes que o munumento representava.

    Em boa verdade, são milhares de indivíduos que concretizam estas obras, mas o fascínio da sua execução recai sempre sobre os poderes instituídos.

    Mudam os tempos, mudam as vontades e até mudam os “templos” (obras), mas os fins continuam a ser os mesmos.

  • Gabriel

    Puts, isso é sobre qual ponte afinal? Tem mais sobre a ponte do nordeste do que sobre essa da China, que por sinal é uma bela ponte! oO Ver no Google Earth é fora de sério! Recomendo.

  • Gabriel

    Puts, isso é sobre quaL PONTE AFINAL? tEM MAIS SOBRE EA PONTE DO NORDESTE DO QUE SOBRE ESSA PONTE Q

  • JOSE RAMOS DOS SANTOS

    BOA TARDE

    A MAIOR PONTE URBANA DO NORDETE BRASILEIRO COMPLETOU NO ÚLTIMO DIA 24 DE SETEMBRO TRÊS (03) ANOS DE INAUGURADA.

    VEJA FOTO

    EM MARÇO DE 2007 ENVIEI PARA ESTE CONCEITUADO SÍTIO UM ARTIGO DE NOSSA AUTORIA, CUJO TEMA FOI: “PONTE ARACAJU/BARRA DOS COQUEIROS – A CHEGADA DA PRIMAVERRA SINTÉTICA.”
    NA ÉPOCA HOUVE VÁRIAS INTERVENÇÕES DE OUTROS INTERNÁUTAS. EM OUTUBRO DE 2009, VOLTO A ESCREVER SOBRE A MAIOR PONTE URBANA DO NORDETE. EM 24 DE SETEMBRO DE 2009 A PONTE ARACAJU/BARRA DOS COQUEIROS, CONSTRUTOR JOÃO ALVES COMPLETOU três ANOS DE INAUGURADA. A OBRA ESPECIAL (COMO É CONHECIDA NA ENGENHARIA CIVIL, AS PONTES) FOI O MAIOR FATO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO OCORRIDO EM SERGIPE, POIS, A OBRA TROUXE INÚMEROS BENEFÍCIOS À SOCIEDADE CIVIL DE SERGIPE, ESPECIALMENTE AS DUAS COMUNIDADES DIRETAMENTE ENVOLVIDAS: ARACAJU E BARRA DOS COQUEIROS. COM O ADVENTO DESSA OBRA, DA MAIOR RELEVÂNCIA PÚBLICA, A SOCIEDAE DA ILHA DE SANTA LUZIA, ONDE ESTÁ ASSENTADO O MUNICÍPIO DA BARRA FOI DIRETAMENTE BENEFICIADA, AUMENTOU A QUALIDADE DE VIDA DE SEUS MORADORES. ENTRE OUTROS AVANÇOS ESTÁ NA ATRAVESSIA SOBRE O RIO SERGIPE, ANTES FEITA POR EMBARCAÇÕES COM DESTINO A ARACAJU. HOJE ISSO É FEITO POR VIA TERRESTRE, ATRAVÉS DO TABULEIRO DA PONTE, QUE FACILITOU O ACESSO À CAPITAL SERGIPANA COM QUATRO PISTAS PARA VEÍCULOS COM DE 20 M DE LARGULA E 1800 M COMPRIMENTO, E DUAS PISTAS DESTINADA A PEDESTRE E OUTRA A BICICLETA, SEPADAS COM MURETA E ACIMA DO SOLO ASFALTICO CERCA DE UM METRO, O QUE TRÁS MAIS SEGURANÇA AOS CIDADÃOS QUE FAZEM A ATRAVESSIA A PÉ, QUE SEJAM PARA VIR RESOLVER QUALQUER ASSUNTO EM ARACAJU OU PARA A O EXERCÍCIO DIÁRIO DA CAMINHADA. MESMO COM TODO BOICOTE DO PT, DO EX-CANDIDATO A GOVERNO DO ESTADO, MARCELO DEDA E OUTROS ESTÚPIDOS SEGUIDORES CEGOS DO PARTIDO E SEUS PUXA-SACOS.
    DURANTE ESSES TRÊS ANOS DE ABERTURA AO PÚBLICO, COM TRANSPORTE COLETIVO – NÃO SENDO MELHOR DEVIDO AO CITADO BOICOTE IRRACIONAL E IDEOLÓGICO DE SUA ALTEZA O IMPERADOR DOM MARCELO DEDA E SEUS FANTOCHES -, AALÉM DE CIDADÃOS QUE AGORA PODEM ATRAVESSÁ-LA A PÉ, ANTES UMA PIADA BEM-HUMORADA AOS MORADORES DA ILHA, QUE OUVIAM DOS COLEGAS QUER FOSSEM DA MESMA ESCOLA, OU DO MESMO SETOR DE TRABALHO EM ARACAJU:” VÁ A PÉ PARA A BARRA” OU VOCÊ VEIO A PÉ DA ILHA”. COMO IR A PÉ SOBRE O ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE? AGORA A BRICADEIRA VIROU REALIDADE. SIM, PODEMOS ATRAVESSAR O ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE! MAS, SOBRE A PONTE, CUJAS PAISSAGENS SÃO BELAS, PRINCIPALMENTE AO ENTERDESCER, DEPOIS DAS 16H. CENTENAS DE PESSOAS UTILIZAM A EXTENSSÃO DE UM MIL E OITOCENTOS METROS DA PONTE PARA FAZER UMA ATIVIDADE FÍSICA, A CAMINHADA. DE CIMA DA OBRA PODE SER VISTO O RIO SERGIPE, OS COQUEIRERAIS DA ILHA DE SANTA LUZIA, OS MANGUZAIS DE TRÊS MUNICÍPIOS: BARRA, ARACAJU E SANTO AMARO.
    ALÉM DOS BENEFÍCIOS SOCIAIS, AINDA HÁ OS DE SAÚDE – CAMINHAR E CORRER FAZ MUITO BEM À SAÚDE. SE O BOICOTE IRRESPONSÁVEL DO PT ACABAR – OS GOVERNOS ESTADUAL DE SUA EXA, DR MARCELO DEDA – QUE ALÍAS ESTÁ SE TRATANDO DE UM MIOMA NO LUXUOSO E ELITIZADO HOSPITAL, PARA POUCOS, SÍRIO-LIBANÊS, EM SÃO PAULO, E PARA O POVO O GOVERNADOR OFERECE O HOSPITAL PÚBLICO DE PÉSSIMA QUALIDADE “NESTOR PIVA”, E O HUSE (HOSPITAL DE URGÊNCIA DE SERGIPE), QUE SUA ADMINISTRAÇÃO IMCOPETENTE PIOROU -, O DE SUA SOMBRA O PREFEITO DE ARACAJU EDVALDO NOGUEIRA E ATÉ DE MEMBROS DO GOVERNO FEDERAL -, COM CERTEZA OS EFEITOS COLATERAIS QUE SE ESPERAVA DA MAIOR PONTE URBANA DO NORDESTE COMEÇARÃO A APERECER. A SOCIEDADE CIVIL SERGIPANA DEVE SABER SOBRE O QUE ELLES ESTÃO FAZENDO PARA FREAR ESSE PROGRESSO. POR QUE? E PARA QUÊ? OBRAS PÚBLICAS DEVEM FICAR DE FORA DA IDEOLOGIA POLÍTICO-PARTIDÁRIA, POR DOIS MOTIVOS BÁSICOA: SÃO FEITAS COM OS IMPOSTOS DOS CIDADÃOS E O BENEFÍCIO QUE TRARÃO DE FATO, PARA A SOCIEDADE. ENTÃO DEIXEM DE POLITICAGEM E BOICOTES A ESSAS OBRAS. PORQUE SENÃO O POVO DÁ O TROUCO NAS URNAS, SUA EXA. DOM MARCELO, O DONO DO PT, ESSPERIMENTOU ESSA DERROTA AMARGA NA BARRA DOS COQUEIROS NAS ELEIÇÕES DE 2006.

    ATENCIOSAMENTE,
    JOSÉ RAMOS DOS SANTOS
    CIDADÃO E EX-MORADOR DA BARRA DOS COQUEIROS, DESDE 1969 A 2007. E EM BREVE ESTAREI LAÇANDO UM LIVRO SOBRE A HISTÓRIA DESTE MUNICÍPIO, QUE DESDE O SSÉCULO XVI (1537) TEM INDÍCIOS DE POVOAÇÃO, MAS SOMENTE NO SÉC. SEGUINTE (XVII) FOI DE FATO CONFIRMADO DE FATO POVOAÇÃO.

    http://3.bp.blogspot.com/_ThmqipIESjY/SoNORZdIlvI/AAAAAAAAAdM/ilVkPS_-e7Q/s400/ponte+aracaju-barra.jpg

    RAMOS

  • JOSE RAMOS DOS SANTOS

    BOA TARDE

    PONTE ARACAJU BARRA DOS COQUEIROS COMPLETOU 3 ANOS, E SETEMNBRO DE 2009.

    EM MARÇO DE 2007 ENVIEI PARA ESTE CONCEITUADO SÍTIO UM ARTIGO DE NOSSA AUTORIA, CUJO TEMA FOI: “PONTE ARACAJU/BARRA DOS COQUEIROS – A CHEGADA DA PRIMAVERRA SINTÉTICA.”
    NA ÉPOCA HOUVE VÁRIAS INTERVENÇÕES DE OUTROS INTERNÁUTAS. EM OUTUBRO DE 2009, VOLTO A ESCREVER SOBRE A MAIOR PONTE URBANA DO NORDETE. EM 24 DE SETEMBRO DE 2009 A PONTE ARACAJU/BARRA DOS COQUEIROS, CONSTRUTOR JOÃO ALVES COMPLETOU três ANOS DE INAUGURADA. A OBRA ESPECIAL (COMO É CONHECIDA NA ENGENHARIA CIVIL, AS PONTES) FOI O MAIOR FATO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO OCORRIDO EM SERGIPE, POIS, A OBRA TROUXE INÚMEROS BENEFÍCIOS À SOCIEDADE CIVIL DE SERGIPE, ESPECIALMENTE AS DUAS COMUNIDADES DIRETAMENTE ENVOLVIDAS: ARACAJU E BARRA DOS COQUEIROS. COM O ADVENTO DESSA OBRA, DA MAIOR RELEVÂNCIA PÚBLICA, A SOCIEDAE DA ILHA DE SANTA LUZIA, ONDE ESTÁ ASSENTADO O MUNICÍPIO DA BARRA FOI DIRETAMENTE BENEFICIADA, AUMENTOU A QUALIDADE DE VIDA DE SEUS MORADORES. ENTRE OUTROS AVANÇOS ESTÁ NA ATRAVESSIA SOBRE O RIO SERGIPE, ANTES FEITA POR EMBARCAÇÕES COM DESTINO A ARACAJU. HOJE ISSO É FEITO POR VIA TERRESTRE, ATRAVÉS DO TABULEIRO DA PONTE, QUE FACILITOU O ACESSO À CAPITAL SERGIPANA COM QUATRO PISTAS PARA VEÍCULOS COM DE 20 M DE LARGULA E 1800 M COMPRIMENTO, E DUAS PISTAS DESTINADA A PEDESTRE E OUTRA A BICICLETA, SEPADAS COM MURETA E ACIMA DO SOLO ASFALTICO CERCA DE UM METRO, O QUE TRÁS MAIS SEGURANÇA AOS CIDADÃOS QUE FAZEM A ATRAVESSIA A PÉ, QUE SEJAM PARA VIR RESOLVER QUALQUER ASSUNTO EM ARACAJU OU PARA A O EXERCÍCIO DIÁRIO DA CAMINHADA. MESMO COM TODO BOICOTE DO PT, DO EX-CANDIDATO A GOVERNO DO ESTADO, MARCELO DEDA E OUTROS ESTÚPIDOS SEGUIDORES CEGOS DO PARTIDO E SEUS PUXA-SACOS.
    DURANTE ESSES TRÊS ANOS DE ABERTURA AO PÚBLICO, COM TRANSPORTE COLETIVO – NÃO SENDO MELHOR DEVIDO AO CITADO BOICOTE IRRACIONAL E IDEOLÓGICO DE SUA ALTEZA O IMPERADOR DOM MARCELO DEDA E SEUS FANTOCHES -, AALÉM DE CIDADÃOS QUE AGORA PODEM ATRAVESSÁ-LA A PÉ, ANTES UMA PIADA BEM-HUMORADA AOS MORADORES DA ILHA, QUE OUVIAM DOS COLEGAS QUER FOSSEM DA MESMA ESCOLA, OU DO MESMO SETOR DE TRABALHO EM ARACAJU:” VÁ A PÉ PARA A BARRA” OU VOCÊ VEIO A PÉ DA ILHA”. COMO IR A PÉ SOBRE O ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE? AGORA A BRICADEIRA VIROU REALIDADE. SIM, PODEMOS ATRAVESSAR O ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE! MAS, SOBRE A PONTE, CUJAS PAISSAGENS SÃO BELAS, PRINCIPALMENTE AO ENTERDESCER, DEPOIS DAS 16H. CENTENAS DE PESSOAS UTILIZAM A EXTENSSÃO DE UM MIL E OITOCENTOS METROS DA PONTE PARA FAZER UMA ATIVIDADE FÍSICA, A CAMINHADA. DE CIMA DA OBRA PODE SER VISTO O RIO SERGIPE, OS COQUEIRERAIS DA ILHA DE SANTA LUZIA, OS MANGUZAIS DE TRÊS MUNICÍPIOS: BARRA, ARACAJU E SANTO AMARO.
    ALÉM DOS BENEFÍCIOS SOCIAIS, AINDA HÁ OS DE SAÚDE – CAMINHAR E CORRER FAZ MUITO BEM À SAÚDE. SE O BOICOTE IRRESPONSÁVEL DO PT ACABAR – OS GOVERNOS ESTADUAL DE SUA EXA, DR MARCELO DEDA – QUE ALÍAS ESTÁ SE TRATANDO DE UM MIOMA NO LUXUOSO E ELITIZADO HOSPITAL, PARA POUCOS, SÍRIO-LIBANÊS, EM SÃO PAULO, E PARA O POVO O GOVERNADOR OFERECE O HOSPITAL PÚBLICO DE PÉSSIMA QUALIDADE “NESTOR PIVA”, E O HUSE (HOSPITAL DE URGÊNCIA DE SERGIPE), QUE SUA ADMINISTRAÇÃO IMCOPETENTE PIOROU -, O DE SUA SOMBRA O PREFEITO DE ARACAJU EDVALDO NOGUEIRA E ATÉ DE MEMBROS DO GOVERNO FEDERAL -, COM CERTEZA OS EFEITOS COLATERAIS QUE SE ESPERAVA DA MAIOR PONTE URBANA DO NORDESTE COMEÇARÃO A APERECER. A SOCIEDADE CIVIL SERGIPANA DEVE SABER SOBRE O QUE ELLES ESTÃO FAZENDO PARA FREAR ESSE PROGRESSO. POR QUE? E PARA QUÊ? OBRAS PÚBLICAS DEVEM FICAR DE FORA DA IDEOLOGIA POLÍTICO-PARTIDÁRIA, POR DOIS MOTIVOS BÁSICOA: SÃO FEITAS COM OS IMPOSTOS DOS CIDADÃOS E O BENEFÍCIO QUE TRARÃO DE FATO, PARA A SOCIEDADE. ENTÃO DEIXEM DE POLITICAGEM E BOICOTES A ESSAS OBRAS. PORQUE SENÃO O POVO DÁ O TROUCO NAS URNAS, SUA EXA. DOM MARCELO, O DONO DO PT, ESSPERIMENTOU ESSA DERROTA AMARGA NA BARRA DOS COQUEIROS NAS ELEIÇÕES DE 2006.

    ATENCIOSAMENTE,
    JOSÉ RAMOS DOS SANTOS
    CIDADÃO E EX-MORADOR DA BARRA DOS COQUEIROS, DESDE 1969 A 2007. E EM BREVE ESTAREI LAÇANDO UM LIVRO SOBRE A HISTÓRIA DESTE MUNICÍPIO, QUE DESDE O SSÉCULO XVI (1537) TEM INDÍCIOS DE POVOAÇÃO, MAS SOMENTE NO SÉC. SEGUINTE (XVII) FOI DE FATO CONFIRMADO DE FATO POVOAÇÃO.

    http://3.bp.blogspot.com/_ThmqipIESjY/SoNORZdIlvI/AAAAAAAAAdM/ilVkPS_-e7Q/s400/ponte+aracaju-barra.jpg

    JOSÉ RAMOS DOS SANTOS
    CIDADÃO

  • JOSE RAMOS DOS SANTOS

    BOA TARDE

    EM MARÇO DE 2007 ENVIEI PARA ESTE CONCEITUADO SÍTIO UM ARTIGO DE NOSSA AUTORIA, CUJO TEMA FOI: “PONTE ARACAJU/BARRA DOS COQUEIROS – A CHEGADA DA PRIMAVERRA SINTÉTICA.”

    NA ÉPOCA HOUVE VÁRIAS INTERVENÇÕES DE OUTROS INTERNÁUTAS. EM OUTUBRO DE 2009, VOLTO A ESCREVER SOBRE A MAIOR PONTE URBANA DO NORDETE. EM 24 DE SETEMBRO DE 2009 A PONTE ARACAJU/BARRA DOS COQUEIROS, CONSTRUTOR JOÃO ALVES COMPLETOU três ANOS DE INAUGURADA. A OBRA ESPECIAL (COMO É CONHECIDA NA ENGENHARIA CIVIL, AS PONTES) FOI O MAIOR FATO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO OCORRIDO EM SERGIPE, POIS, A OBRA TROUXE INÚMEROS BENEFÍCIOS À SOCIEDADE CIVIL DE SERGIPE, ESPECIALMENTE AS DUAS COMUNIDADES DIRETAMENTE ENVOLVIDAS: ARACAJU E BARRA DOS COQUEIROS. COM O ADVENTO DESSA OBRA, DA MAIOR RELEVÂNCIA PÚBLICA, A SOCIEDAE DA ILHA DE SANTA LUZIA, ONDE ESTÁ ASSENTADO O MUNICÍPIO DA BARRA FOI DIRETAMENTE BENEFICIADA, AUMENTOU A QUALIDADE DE VIDA DE SEUS MORADORES. ENTRE OUTROS AVANÇOS ESTÁ NA ATRAVESSIA SOBRE O RIO SERGIPE, ANTES FEITA POR EMBARCAÇÕES COM DESTINO A ARACAJU. HOJE ISSO É FEITO POR VIA TERRESTRE, ATRAVÉS DO TABULEIRO DA PONTE, QUE FACILITOU O ACESSO À CAPITAL SERGIPANA COM QUATRO PISTAS PARA VEÍCULOS COM DE 20 M DE LARGULA E 1800 M COMPRIMENTO, E DUAS PISTAS DESTINADA A PEDESTRE E OUTRA A BICICLETA, SEPADAS COM MURETA E ACIMA DO SOLO ASFALTICO CERCA DE UM METRO, O QUE TRÁS MAIS SEGURANÇA AOS CIDADÃOS QUE FAZEM A ATRAVESSIA A PÉ, QUE SEJAM PARA VIR RESOLVER QUALQUER ASSUNTO EM ARACAJU OU PARA A O EXERCÍCIO DIÁRIO DA CAMINHADA. MESMO COM TODO BOICOTE DO PT, DO EX-CANDIDATO A GOVERNO DO ESTADO, MARCELO DEDA E OUTROS ESTÚPIDOS SEGUIDORES CEGOS DO PARTIDO E SEUS PUXA-SACOS.
    DURANTE ESSES TRÊS ANOS DE ABERTURA AO PÚBLICO, COM TRANSPORTE COLETIVO – NÃO SENDO MELHOR DEVIDO AO CITADO BOICOTE IRRACIONAL E IDEOLÓGICO DE SUA ALTEZA O IMPERADOR DOM MARCELO DEDA E SEUS FANTOCHES -, AALÉM DE CIDADÃOS QUE AGORA PODEM ATRAVESSÁ-LA A PÉ, ANTES UMA PIADA BEM-HUMORADA AOS MORADORES DA ILHA, QUE OUVIAM DOS COLEGAS QUER FOSSEM DA MESMA ESCOLA, OU DO MESMO SETOR DE TRABALHO EM ARACAJU:” VÁ A PÉ PARA A BARRA” OU VOCÊ VEIO A PÉ DA ILHA”. COMO IR A PÉ SOBRE O ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE? AGORA A BRICADEIRA VIROU REALIDADE. SIM, PODEMOS ATRAVESSAR O ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE! MAS, SOBRE A PONTE, CUJAS PAISSAGENS SÃO BELAS, PRINCIPALMENTE AO ENTERDESCER, DEPOIS DAS 16H. CENTENAS DE PESSOAS UTILIZAM A EXTENSSÃO DE UM MIL E OITOCENTOS METROS DA PONTE PARA FAZER UMA ATIVIDADE FÍSICA, A CAMINHADA. DE CIMA DA OBRA PODE SER VISTO O RIO SERGIPE, OS COQUEIRERAIS DA ILHA DE SANTA LUZIA, OS MANGUZAIS DE TRÊS MUNICÍPIOS: BARRA, ARACAJU E SANTO AMARO.
    ALÉM DOS BENEFÍCIOS SOCIAIS, AINDA HÁ OS DE SAÚDE – CAMINHAR E CORRER FAZ MUITO BEM À SAÚDE. SE O BOICOTE IRRESPONSÁVEL DO PT ACABAR – OS GOVERNOS ESTADUAL DE SUA EXA, DR MARCELO DEDA – QUE ALÍAS ESTÁ SE TRATANDO DE UM MIOMA NO LUXUOSO E ELITIZADO HOSPITAL, PARA POUCOS, SÍRIO-LIBANÊS, EM SÃO PAULO, E PARA O POVO O GOVERNADOR OFERECE O HOSPITAL PÚBLICO DE PÉSSIMA QUALIDADE “NESTOR PIVA”, E O HUSE (HOSPITAL DE URGÊNCIA DE SERGIPE), QUE SUA ADMINISTRAÇÃO IMCOPETENTE PIOROU -, O DE SUA SOMBRA O PREFEITO DE ARACAJU EDVALDO NOGUEIRA E ATÉ DE MEMBROS DO GOVERNO FEDERAL -, COM CERTEZA OS EFEITOS COLATERAIS QUE SE ESPERAVA DA MAIOR PONTE URBANA DO NORDESTE COMEÇARÃO A APERECER. A SOCIEDADE CIVIL SERGIPANA DEVE SABER SOBRE O QUE ELLES ESTÃO FAZENDO PARA FREAR ESSE PROGRESSO. POR QUE? E PARA QUÊ? OBRAS PÚBLICAS DEVEM FICAR DE FORA DA IDEOLOGIA POLÍTICO-PARTIDÁRIA, POR DOIS MOTIVOS BÁSICOA: SÃO FEITAS COM OS IMPOSTOS DOS CIDADÃOS E O BENEFÍCIO QUE TRARÃO DE FATO, PARA A SOCIEDADE. ENTÃO DEIXEM DE POLITICAGEM E BOICOTES A ESSAS OBRAS. PORQUE SENÃO O POVO DÁ O TROUCO NAS URNAS, SUA EXA. DOM MARCELO, O DONO DO PT, ESSPERIMENTOU ESSA DERROTA AMARGA NA BARRA DOS COQUEIROS NAS ELEIÇÕES DE 2006.

    ATENCIOSAMENTE,
    JOSÉ RAMOS DOS SANTOS

    CIDADÃO E EX-MORADOR DA BARRA DOS COQUEIROS, DESDE 1969 A 2007. E EM BREVE ESTAREI LAÇANDO UM LIVRO SOBRE A HISTÓRIA DESTE MUNICÍPIO, QUE DESDE O SSÉCULO XVI (1537) TEM INDÍCIOS DE POVOAÇÃO, MAS SOMENTE NO SÉC. SEGUINTE (XVII) FOI DE FATO CONFIRMADO DE FATO POVOAÇÃO.

    http://3.bp.blogspot.com/_ThmqipIESjY/SoNORZdIlvI/AAAAAAAAAdM/ilVkPS_-e7Q/s400/ponte+aracaju-barra.jpg

    http://3.bp.blogspot.com/_ThmqipIESjY/SoNORZdIlvI/AAAAAAAAAdM/ilVkPS_-e7Q/s400/ponte+aracaju-barra.jpg

  • samantha

    pow

  • Gessica

    Sua opiniao e a opiniao da sua colega de nada importa..

    Que negocio e esse de buraco e guardar lembranca? vc se amarra em sexo anal?

  • Jessica

    Bahhhh meu q Ohivel

    concOrdooo plenamente com ela
    a ponte de santa maria ta loko
    mata a pau
    a mais melhor

    cada buracao guarda uma lembranca!

    uma grande emocao andar por ela…

    o maior ponto turistico

    DemAIIIs

  • bruna

    achei a ponte muito feia!!!!!!!!!
    prefiro a da santa maria que tem em taquara no rio grande do sul!!!!

  • ronaldo

    achei otimo.. muito legal… very good..

  • JOSE RAMOS DOS SANTOS

    BOM DIA

    ESTOU ENVIANDO PARA ESTE SITE, UM ARTIGO SOBRE A MAIOR PONTE URBANA DO NORDESTE BRASILEIRO. BEM COMO SUA FOTOS, UMA BELA PAISAGEM.

    ATENCIOSAMENTE,

    RAMOS

    PONTE ARACAJU-BARRA DOS COQUEIROS:
    A CHEGADA DA PRIMAVERA SINTÉTICA (I)

    *JOSÉ RAMOS DOS SANTOS

    Primeiro vem o sonho, depois a idealização e em seguida a realização. Esses são os passos para a concretização material de grandes obras públicas por gestores de grande visão social e vontade política (independente de sua condição político-ideológica, tempo, experiência na vida pública, etc.), não foi diferente com as obras de relevância pública em Barra dos Coqueiros.
    Como por exemplos: o Porto Marítimo Inácio Barbosa (1989); a sede do Fórum Desembargador Antônio Xavier de Assis Junior – a criação/instalação da Comarca Judiciária (1999) -, e finalmente a Ponte Aracaju/Barra dos Coqueiros – Construtor João Alves (e sua extensão de 500 m, a Rodovia Estadual que leva o mesmo nome da sede do Fórum, que a interliga a cabeceira da Ponte do lado da Ilha às Rodovias locais). A construção de uma Ponte que ligasse a capital a Ilha, havia o sonho desde início do século XX, ou por volta de 1906.
    Já o Porto Marítimo, aspiração foi mais remota, vem desde 1854, século XIX, quando o presidente da Província de Sergipe Del Rey, Inácio Barbosa, ao visitar a Ilha dos Coqueiros (primeiro nome da Barra), sonhou em construir um Porto nas áreas costeiras de nosso então povoado, e seria severamente criticado por seus opositores, como o fora o governo Francês ao construir a mais alta torre do Globo (Eiffel, 334 m) – políticos invejosos, idiotas e seus capachos, não são coisas da
    atualidade, há desde os remotos tempos.
    Basta ver nos dias atuais políticos de “oposição” ao governo de Sergipe, que
    ficaram também contra a construção da Ponte, fazendo oposição à sociedade civil, e não apenas aos atos político-administrativos governamentais, o que seria salutar à democracia, mas ser contra uma obra de grande relevância pública, como a Ponte, é estar contra interesses coletivos da sociedade civil.

    Há muito tempo ouvimos falar que sucessivos governantes de Sergipe sonhavam em construir uma Ponte que unisse Aracaju à Barra dos Coqueiros. Pelo menos há 100 anos, ou desde 1906, comentava-se sobre o assunto extremamente relevante. Finalmente em pleno século XXI, o sonho começa a se realizar, a partir da coragem de um gestor. Em outubro de 2004, seriam iniciadas as obras e quase dois anos depois (24 de setembro de 2006), o sonho torna-se realidade: graças a visão de um empreendedor, centenas de operários da empresa EMSA e os impostos da Sociedade Civil sergipana.

    A Ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros, construída pelo então gestor público Estadual de Sergipe (Nordeste/Brasil), João Alves Filho, com 1.850 metros de comprimento e 23 de largura (contra 2.446 m de extensão e 32 de largura da Ponte mais alta do mundo com 343 m, na França, excedendo-se em 9 metros à altura da Eiffel, incluindo sua antena), 4 pistas nos dois sentidos para veículos, separadas por uma mureta de 70cm de altura por toda sua extensão.
    Além de um passeio EXCLUSIVO para pedestres (lado sul da obra), também, separado por outra mureta lateral, de 70 cm de altura a partir do asfalto, cujo piso são espessas placas de concretos removíveis de 1,7 m de largura (sendo que prósimo as 4 colunas, em ambos lados da Ponte, essa largura dobra – cujas placas estão sobre a tubulação, por onde passará água do rio São Francisco). E uma ciclovia no sentido oposto do passeio (lado norte da construção), de mão e contra mão, com as mesmas dimensões.
    A nossa Ponte – é mais uma “obra de arte especial”, como se fala na Engenharia Civil – além de ser o mais importante empreendimento público para o Estado e especialmente para nosso Município e a Capital sergipana, orçada inicialmente em R$ 85 milhões, custariam exatos 135 milhões de reais no final (a da França custou 450 milhões de euros, ou 1,28 bilhão de reais (cotação do euro à época R$ 2,70), dos quais €$ 50 mi (ou 140 milhões de reais, na mesma cotação, mais que o valor total da nossa Ponte) foram oriundos do governo francês, ou melhor, do cidadão francês.

    A mais nova “obra prima” do Estado chega a ser mais importante – ao contrário do que escrevi num artigo, antes da conclusão definitiva da construção -, até mesmo que o Porto Marítimo Inácio Barbosa (que leva o nome daquele que sonhou e idealizador, situado no povoado Jatobá, nas costas da Barra). A Ponte é um fato atual, amanhã será História.

    A Ponte vista de Aracaju, do outro lado, a Barra dos Coqueiros

    Além de Sergipe ganhar mais um bonito cartão Postal – e sobre o mesmo pode se vê outros cartões postais como o verde horizontal dos coqueirais e manguezais da Ilha, o leito e o estuário do próprio rio Sergipe, a beleza de Aracaju pelo dia e suas luzes à noite etc. A Ponte, ao unir a Barra a Aracaju, uniu também à Ilha ao continente; além de se tornar no mais expressivo e importante Patrimônio Arquitetônico do Estado. Cidadãos de bom caráter, de bem e de bom senso, reconhecem tudo isso. Já políticos pouco ou nada idôneos e antiéticos, e alguns de seus eleitores (idem) sobram apenas um dos 7 pecados da política: a inveja! E a “insanidade mental”!
    Então por que o ex-prefeito de Aracaju Marcelo Deda, trabalhou o tempo todo, juntamente com seu compadre/presidente Luiz Inácio da Silva, o “Lula”, CONTRA A CONSTRUÇÃO DESSA OBRA, DA MAIOR IMPORTÂNCIA SOCIAL E ECONÔMICA PARA A SOCIEDADE CIVIL SERGIPANA? Deda – o neo coronel da “nova” esquerda de Sergipe -, do mesmo partido do “presidente/companheiro” (PT), e outras lideranças locais, bem manjadas, juntos pediam ao governo federal, para dificultar a liberação de recursos federais.

    A Ponte Rio-Niterói, uma das maoires do mundo (13,29 de Km extensão, e interliga a nordestina BR 101), foi construída no Regime Militar, tendo sido iniciada em 69 – suas obras foram paralizadas, por algum tempo, e reiniciando na década de 70 -, cuja conclusão se deu em 1974 – 5 anos intercalados. Todo cidadão consciente e puliotizado era contra os ditames do Regime, mas quem, em seu juízo perfeito, seria contra a uma obra como essa? Daí, manda o bom senso, que os políticos façam oposição a seus adversários; mas, nunca sejam contrários a obras públicas de grande relevância social, que beneficiarão a sociedade civil.
    Dessa maneira os interesses políticos eleitoreiros, do propenso candidato ao governo do estado, Marcelo Deda e seus aliados, eram atendidos prontamente, em detrimento dos interesses coletivos. Visto que os recursos de 85 milhões de reais estariam sendo liberados, assim que o Orçamento da União de 2006 fosse votado (já atrasado), num acordo de lideranças do governo Federal e da oposição no Congresso Nacional.
    A Ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros, Construtor João Alves (homenagem póstuma ao genitor do governador), foi inserida no cenário nacional, sendo notícia do Jornal da Globo e em outros meios de comunicação nacionalmente (a Barra sendo notícia em Rede nacional) -, dando como certa a liberação dos recursos necessários para a conclusão da obra, que não vieram, porque Deda e seus aliados, em Sergipe, dificultaram o tempo todo e o quanto puderam.
    Uma das provas disso foi que até o conceituado BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social entrou no “jogo”, para justificar o bloqueio dos recursos previamente acertados. Ainda mesmo do início da construção (outubro de 2004), outro órgão do executivo da União, o IBAMA em Sergipe – órgão federal ambiental, à época, administrado por um petista de “carteirinha” – que seria depois coordenador da campanha de Deda ao governo do estado -, já dava a entender que conspiraria e atrapalharia a obra.

    Ramos*,Cidadão E-mail:ramosestudantededireito@yahoo.com.br

    PONTE ARACAJU-BARRA DOS COQUEIROS:
    A CHEGADA DA PRIMAVERA SINTÉTICA (II)

    *JOSÉ RAMOS DOS SANTOS

    A seriedade do Ministério Público Federal – MPF em Sergipe, que solicitaria também da Adema – órgão estadual ambiental -, um estudo amplo sobre o impacto ambiental na área de manguezais e às margens do rio Sergipe; mas, sempre o Instituto apontava dificuldades infundadas tecnicamente, e sim por motivação político-partidário para atrasar o começo da construção.
    Como o MPF é um órgão permanente, sério e independente fez apenas sua parte referente ao meio ambiente, autorizando no âmbito de sua competência o início das obras, recomendando ao Estado, cuidados ambientais. Manda o bom senso que seja REVITALIZADO o rio Sergipe, onde o governo do Estado construísse modernas estações, com galerias de esgotos para que o volume de águas poluídas fosse tratado adequadamente, e somente depois fosse despejada no rio, para não poluir as águas de seu leito.
    Outro ponto social que chama a atenção é sobre as indenizações financeiras feitas pelo governo estadual, através do órgão competente (DRE/SE), se foram pagas justamente aos proprietários respectivos valores de seus bens, que foram desapropriados, para construir a Ponte.
    Também se moradores das “Malvinas”- invasão de duas décadas, mais ou menos, que deu lugar por onde passa a cabeceira da obra e parte da nova Rodovia, a extensão da Ponte -, que tiveram suas casas simples e médias demolidas, na mesma “balança” que o Estado indenizou várias residências e terrenos dos loteamentos Olimar e Marivan (ambos existentes desde meados da década de 70), bem como partes de pequenos sítios próximos à obra.
    Mesmo aquela localidade (“Malvinas”, uma alusão à guerra entre Argentina e Ingraterra, pelo controle das Ilhas Malvinas – Falkland Island em Inglês, início da década 80), sendo uma invasão, famílias construíram suas casas, e formaram lares, desde a década de 80, devendo receber do gestor público estadual (como é conhecido também os governantes das três esferas administrativas do país), uma indenização justa, para comprarem outro imóvel igual, ou melhor, em outra localidade. Assim, a justiça seria feita.
    Caso as indenizações tenham sido justa, melhor, para aquela comunidade. O que os poderes públicos devem fazer agora – principalmente as prefeituras da Barra – , é se precaver para evitar novas invasões no mesmo local e às margens da nova Rodovia – já indenizadas, cercadas e com placas do DER -, que começa por um boteco de cachaça, e depois…Aí adeus à bela paisagem e segurança, mesmo havendo em invasões pessoas de bem.
    Outro fato, interessante e positivo, dentre outros, é que a construção da Ponte e sua extensão (Rodovia), tornaram as áreas periféricas desses loteamentos (e do outro lado a extinta invasão, apenas duas casas restaram das “Malvinas”), até então isoladas e distante de tudo, ficarem próximas e de frente para uma moderna Rodovia de 0,5 Km de extensão, bem movimentada e muito bem ilumina (onde havia trevas, se fez luz).
    Além de bem asfaltada (onde era areia e barro, se fez pavimento, preservando-se manguezais) – sendo dividida, como as pistas da Ponte – por uma mureta de 70cm de altura (onde era insegurança e intransitável, se fez caminho com segurança institucional da CPRv – Companhia Estadual de Polícia Rodoviária; que vinha prestando um serviço relevante (“ó mestre dá luz aos cegos”).
    Além de um passeio paralelo para pedestres, de um lado – um lugar apropriado para caminhada -, e uma ciclovia do outro, ciclistas separados de pedestres. Tanto o passeio como a ciclovia, com 1,7m de largura cada (ainda falta serem concluídos, em uns 250m, até o último dia 30 do ano passado), o que continuou depois do feriadão de ano novo.
    No entanto a construção da Ponte foi totalmente conclusa no dia 28/12/06, quando a obra recebeu a segunda e última camada de asfalto em duas das 4 pistas
    e numa meia pista, sentido contrário da obra, que faltava pôr). Mais um fato político-administrativo relevante seria se o governador João Alves e o prefeito do Município Airton Martins, tivessem se sentado – caso, Deda consentisse, é claro, ao alcaide da Barra -, para discutirem e fazerem a duplicação das Rodovias locais que dão acesso aos povoados:

    A NOITE NO RIO SERGIPE FICOU MAIS ILUMINADA.

    Olhos D’agua, Capuã, arribancado, Touro, Jatobá (hoje em expansão turística, onde está localizado o Porto Marítimo) e Canal, que interligarão a Ponte ao Litoral Norte e a BR 101 e vice-versa; e a outra dá acesso a Atalaia Nova e a praia da Costa (esta desde o dia da inauguração da Ponte vem sendo freqüentada aos domingos e feriados, cuja média são de 400 veículos estacionados numa área do DER/SE).
    Essa parceria entre Estado e Município era necessário, visto que a demanda de veículos aumentaria bastante com o advento da obra. E, àquelas Rodovias são estreita, não havendo nem encostamento e muito menos passeio para pedestre e ciclovia – basta ver o número de cruzes às suas margens – é preciso mudar essa realidade local. Em ambas Rodovias há espaço de sobra, em suas laterais, para fazer a duplicação, o que trazia segurança a pedestres e motoristas, o que falta é vontade política de sucessivos prefeitos locais. Contudo o maior dever seria mesmo do prefeito da Barra, Airton Martins, pois as obras da Ponte começaram em outubro de 2004, houve tempo de sobra para estruturar essas Rodovias, o que faltou ao gestor local foi competência, vontade política e visão social, dele de seus assessores.
    Aliás, Airton Martins, ao contrário de pensar no bem-estar da sociedade civil local, a coletividade, ao contrário, criou foi mais 7 novas Secretarias municipais (o Município tem um pouco mais de 22 mil habitantes); mas, não fez o que deveria: ter instituído a SMTT/Barra, como determina o novo Código Nacional de Trânsito – CNT, para municipalizar o trânsito, que é caótico e perigo – não há no Município um único Agente de Trânsito, até porque não há políticas para o Trânsito local.
    E, com o advento da Ponte a demanda de veículos chega, aos finais de semana, mais de 10 mil carros. Além que a Prefeitura da Barra vem arrecadando, desde o início da obra, cerca de 500 mil reais por mês de ISSN – Imposto Sobre Serviço de qualquer Natureza -, pagos pela empresa responsável pela obra, a ESMA, que também paga a Prefeitura de Aracaju.
    O que é isso PT? A Barra sempre votou nos candidatos petistas Deda, Zé Eduardo e “Lula”, e agora o PT atrapalha e dificulta como pode, de maneira vil, irresponsável, por picuinha política e por motivos eleitoreiros, o progresso, o bem-estar e uma melhor qualidade de vida da sociedade civil do nosso Município! Oposição a um governo estadual ou federal ou municipal é papel de qualquer partido oposicionista, faz bem à manutenção da Democracia, faz parte do jogo político. Mas, o PT fazer oposição a uma grande obra que irá beneficiar à população – que paga seus impostos -, é bem diferente é estupidez e politicagem. A ponte, uma obra pública de grande papel social, econômico e financeiro, além de um cartão postal.

    Ramos*,Cidadão E-mail:ramosestudantededireito@yahoo.com.br

    PONTE ARACAJU-BARRA DOS COQUEIROS:
    A CHEGADA DA PRIMAVERA SINTÉTICA (III)

    *JOSÉ RAMOS DOS SANTOS

    O Município tem hoje mais de 22 mil habitantes, estimativas do IBGE, para 2004, em seus 86 km2, dos quais mais de 25 km de extensão de praias – desde a de Atalaia Nova, encontro do rio Sergipe com o Oceano Atlântico, ao Canal -, num litoral muito bonito, romântico e inspirador de áreas semi-desertas com águas limpas do Mar; além de que o território do Município é apenas um terço do de Aracaju.
    Em breve a Barra terá água potável de excelente qualidade, vinda do Rio São Francisco (que “Lula” quer a todo custo fazer a transposição de milhões de metros cúbicos para o Ceará, onde aumentaria a seca em Sergipe, Alagoas e Bahia; quando o ideal e o bom senso seria fazer a REVITALIZAÇÃO, esse foi outro ponto do “embargo” financeiro à Ponte, o Governador João Alves Filho debateu e foi contra o tempo todo a transposição insana do “velho Chico”).
    Uma vez que a água potável da Barra, para consumo humano, é de péssima qualidade e falta constantemente nas torneiras. Virá, ainda pela ponte, Energia elétrica das Subestações de Aracaju (que são abastecidas com águas do Rio São Francisco, além de deixar espaços para receber fiações de fibra ótica – para Internet -, mais barato e de melhor qualidade e tecnologia de ponta).
    Hoje, na Ilha, é impraticável acessar a Rede Mundial de Computadores, pelos altos custos, em torno de 350 reais mensais, havendo na cidade, apenas 2 cyber café via ondas de Rádio a 1,25 real a hora. Mas, a Ponte trará também grandes benefícios para a própria capital sergipana e, mais outros Municípios de três Microrregiões do Leste de Sergipe como: 1 – Aracaju*, Barra*, São Cristóvão e Socorro; 2 – Santo Amaro, Maruim, Laranjeira, Rosário do Catete, General Maynard, Carmopolis e Riachuelo; e 3 – Pirambu, Japaratuba, Pacatuba, Japoatã e São Francisco (Centro Sul). Além, de beneficiar todas outras unidades municipais direta e indiretamente de Sergipe, em tese a sociedade civil de Sergipe foi a grande beneficiada.
    Ou seja, a nossa Ponte, a maior obra urbana do Nordeste e a segunda do país nesse segmento, construída no perímetro urbanístico, beneficiará mais de um milhão de pessoas diretamente (mais de 500 mil dessas só em Aracaju), ou ainda, a metade da população do estado de Sergipe, com um custo orçado inicialmente em 95 milhões de reais, no final totalizando R$ 135 milhões.
    Foi cara, não pode? Mas, o jatinho do presidente Luiz Inácio “Lula” da Silva – apelidado de ‘aéreolula’ – o compadre “ilustre” de Deda, no valor de 65 milhões de dólares, ou 155 milhões de reais (cotação da moeda à época), para transportar meia dúzia de burocratas palacianos para o exterior – cujas viagens, com altos custos ao contribuinte, nem sempre trazendo resultados ao país -, foi barato e pode?
    Há! Deixa ver se entendemos, o “Lula” do PT ex-operário, retirante de Pernambuco e de esquerda pode gastar uma fortuna, com mordomias e luxúrias – inclusive sua campanha para reeleição custou 115 milhões pagas pelo PT e “doações”. Mas, o gestor Público estadual, por ser de direita, não pode investir uma alta quantia para beneficiar centenas e centenas de milhares de cidadãos e cidadãs? O cidadão e autor deste artigo, por 4 vezes votou para presidente no então Lula – de 89 a 2002 -, não votando mais “nelle”, por seu governo ser pífio, e nem em seu partido, o PT, pelos constantes escândalos, um atrás do outro.
    A Ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros (ou Barra/Aracaju, para quem mora no Município), trará PROGRESSO: indústrias, empresas, turismo, transportes coletivos via ônibus interligados Capital/Município (são empresas de ônibus que circularão em Aracaju e vão até a Barra e retornarão com passageiros onde e deverão entrar nos terminais de integração da capital, e de onde os passageiros poderão pegar outro coletivo, sem pagarem outra tarifa, e seguirem viagem à outras localiades de Aracaju.
    Essa é uma das principais finalidades da Ponte: comodidade – de ir e vir – conforto, segurança e economia. Além de que, apartir de agora, desde que a Ilha é habitada (século XVI), se pode vir a Aracaju por outra localidade, senão pela rua da frente, onde se localiza o Terminal Hidroviário desde 82 (ora fechado) e o porto das canoas
    (tó-tó-tós), desde o séc. XX. Ou seja vir à capital pela Ponte quebra um “ritual” de deficuldades secular, cuja saída e entrada – via trtansporte marítimo – era um “funil”, de 40 m de largura, entre aquele Terminal e esse porto, o que mudou com o advento da Ponte. E, claro, a obra trouxe geração de EMPREGOS.
    Além de facilitar os transportes coletivos de todos moradores da Barra, facilitando a vida de cidadãos e cidadãs. Como, por exemplo, estudantes, operários de verdade (das fábricas Confiança, Serigy e Sergipe Industrial, próximas à Ponte) e demais cidadãos e cidadãs que vão a Aracaju. Inclusive não há mais barreiras que impeçam o cidadão a vir à Capital se não dispor de “capital”, pois a travessia a pé – muito saudável – é feita em apenas 20 minutos em média num espaço exclusivo para pedestre – os ciclistas terão que saber que a ciclovia é do lado oposto aos passeio. E que paissagem, enhein? De encher os olhos, além de fazer bem ao coração e oxegenar mais o cérebro.
    Deda e Zé Eduardo (PT), Jackson (PTB) e Valadares (PSB), como lideranças políticas deveriam se somar – como nos anos 80, onde os dois últimos eram aliados do governador João Alves Filho, sendo que Jackson fora o candidato prefeitura de Aracaju apoiado por João e rivais políticos do PT -, ao gestor público estadual e buscarem recursos federais para a ponte, e não atrapalharem o tempo todo, uma obra como essa.
    Deda e “Lula” do PT, e o governo petista ficaram contra tudo isso! Mesmo assim a ponte será inaugurada em 24 de setembro de 2006, segundo previsão do gestor estadual, em plena primavera (a primeira previsão seria para o dia 25 de agosto, depois 25 de setembro). Como dizia o “Lula” no passado: “os poderosos podem arrancar uma, duas ou três flores, mas não impedirão a chegada da primavera.” Pois é, Marcelo Deda, o todo poderoso chefão do PT em Sergipe e “Lula”, os senhores, hoje poderosos poderão até: “arrancarem uma, duas ou “três flores”, mas não impediram à conclusão da Ponte Aracaju/Barra, a “primavera sintética” da sociedade Barra-coqueirense; porque a primavera natural já é certa e garantida todos os anos.
    Quem sabe da importância dessa obra são pessoas moradoras da Barra que já viram seus parentes agonizando de dores numa das ambulâncias, no porto da balsa, esperando a embarcação para atravessarem o rio Sergipe; com a demora da travessia dificultava o atendimento. Há meses o cidadão/autor deste trabalho vem acompanhando esse transporte e vendo de perto diariamente, essas dificuldades, ambulâncias com pacientes graves, esperando a balsa, e vários deles vindo a óbito pela demora do atendimento rápido e eficiente.

    Ramos*,Cidadão E-mail:ramosestudantededireito@yahoo.com.br

    PONTE ARACAJU-BARRA DOS COQUEIROS:
    A CHEGADA DA PRIMAVERA SINTÉTICA (IV)

    *JOSÉ RAMOS DOS SANTOS

    Daquela experiência saiu um trabalho de propriedade intelectual, inédito, com mais de 200 folhas – que se tornou num Conto (à espera de ser publicado), uma obra literária, inspirada em mais uma das tantas injustiças sociais, agora corrigidas com o advento da Ponte. Dessa forma vários pacientes acidentados no trânsito, ou acometidos de patologias ou de enfermidades, sofreram, além, da dor física de origem, doença ou acidente, dor moral, pelo descaso dos poderes públicos municipais (prefeitura da Barra dos Coqueiros, a Urgência 24 h não estar equipada como deveria – mesmo com a Ponte -, com aparelhos e instrumentos hospitalares capazes de salvar vidas e impedir seqüelas, na Urgência presta os primeiros socorros e emcaminha os paciente para Hospitais em Aracaju).
    Ainda havendo competentes e trabalhadores motoristas de ambulâncias – aqueles concursados, bons médicos plantonistas – à exceção de alguns nem tantos e outros piores e Santa Luzia conseguem reverterem o caos na saúde municipal; e ainda a omissão de poderes estaduais e federais nas respectivas competências. Agora corrigidos com a Ponte, o governo estadual fez sua parte, extinguindo com o constrangimento e melhorando a qualidade de vida da sociedade civil, fazendo jus aos impostos dos cidadãos.
    Há casos de gestantes que morreram no interior da ambulância com seu feto, no porto das balsas e outras que tiveram bebê no interior das lanchas, sem a menor privacidade e muito menos atendimento médico-obstrétra. mesmo com a eficiência dos motoristas de ambulâncias, excetuando-se, um ou outro contratados sem concurso, sem a devida habilidade para conduzir esse veículo, como exige o CNT, a Carteira Nacional de Habilitação – CNH deve ser ‘E’. Como as balsas funcionavam até às 23h30 – a última vinda da Barra, apenas em feriadões iriam além do horário habitual. Com a Ponte não tem hora as ambulâncias rodam dia e noite levando pacientes, ainda há “gente” contra a obra.
    Com a Ponte já funcionando, desde 24 de setembro de 2006 e a todo “vapor” e completa em dezembro, o conforto e a comodidade para a população da Barra dos Coqueiros, Aracaju e cidades circunvizinhas, não deu outra, a H. Dantas Hidroviário “fechou” – mesmo antes do término do Contrato, entre a empresa e o Estado, o que foi um ato ilegal. As balsas funcionavam até as 23h30, qualquer Urgência vinda do 24h da Barra, seria transportado via lanchas de passageiros, o que dificultava demais a vida dos pacientes, já tendo pacientes vindo a óbito, no interior dessas embarcações, devido à demora em receberem atendimento mais qualificado, em Hospitais de Aracaju.
    A Ponte não tratará nenhum transtorno ao perímetro urbano da Barra, visto que a moderna Rodovia interliga sua cabeceira e o trevo, composto por uma Avenida e duas Rodovias (estreitas). Dessa forma essa demanda de veículos automotores, motos e bicicletas, oriundas de Aracaju e de outras localidades já sairão fora da área urbana, no trevo (em frente ao Fórum), com as seguintes opções: Avenida Oceânica (final), sentido centro da cidade; uma Rodovia, sentido praia da Costa e Atalaia Nova (povoado do Município) e outra, no sentido, Olhos D’água, Capuã, Arribancado, Jatobá e Canal (povoados da Barra), que interliga à BR 101 e ao Litoral Norte.
    Com todas essas vantagens, a Ponte fará uma “ponte” aos hospitais de Aracaju, ou seja, o SAMU estadual (inaugurado em 2006) com mais de 100 ambulâncias bem equipadas virão transportar pacientes da Barra, e noutros Municípios próximos – com uma equipe médica completa -, salvando vidas. Nesse caso o governo Federal nem poderia manter o “embargo” econômico/financeiro ao então governo de João Alves Filho, (por mera ideologia política e prejudicando a Sociedade Civil sergipana). “Embargo” esse bem parecido com o dos EUA ao Iraque. Se antes, via balsas, o percurso no rio Sergipe e o tempo/horário normal eram, feito em média 30 minutos; quando a embarcação já estava no porto isso demorava em torno de 14 minutos.
    Já pela Ponte o dobro desse percurso (1.850m) é feito em apenas três minutos – claro que os condutores terão que obedecer às velocidades máximas permitidas postas nas placas na extensão da Ponte de 30 a 40Km/h, para o sonho não virar pesadelo, ou seja, prudência a taxistas, motoristas de ônibus e outros condutores. Basta lembrar, até pouco tempo – na era balsas da H. Dantas – a demora na travessia era até 30 minutos, 14 em média, e nos finais de semana dobrava, o que piorava aos domingos e feriadões (coco-folia e cavalgadas juntos, era o caos total), que ultrapassava às 2,5h de espera.
    Com filas intermináveis, tanto do lado de Aracaju, cujo porto ficava à altura da Rua Laranjeiras, se estendendo até o Senac, uns 700m – Avenida Rio Branco, media de 200 veículos. Do lado da Barra, o retorno à capital era outro transtorno, cuja fila começava no porto, indo até a outra extremidade da cidade, passando por duas avenidas e a praça matriz, Santa Luzia, mais ou menos 550m. O que trazia transtorno, à sociedade, e para os moradores locais já, piorando o já caótico trânsito.
    Mas, para segurança de todos, foram instaladas 4 modernas câmaras de alta precisão e tecnologia de ponta nas extremidades do lado da Barra e de Aracaju e no meio da Ponte que filma tudo, até “pensamento”, (os condutores de táxi, ônibus e veículos particulares apressados que se cuidem). Mantendo a velocidades permitidas os condutores de ambulâncias ganham 400 a 750% (ou 4 a 7,5 vezes), menos tempo, ou seja, enquanto o paciente estivesse ainda no meio do rio, pela balsa, pela Ponte já estará sendo atendido num dos hospitais de Referências em Aracaju; isso quer dizer mais chances de salvar vidas e de deixar menos seqüelas.
    Pois é, Deda, “Lula” e outros petistas decadentes: secretários e ex-secretários municipais da Barra e ocupantes de CC’s, bem como seus aliados do PSB e do PTB de Aracaju e, pasmem alguns deles moradores da Barra. Se aqueles ‘caciques’ políticos e seus fantoches que moram em Aracaju ou têm casa de veraneio na Atalaia Nova, por estarem na oposição, passassem por momentos de angustias, vendo seus parentes agonizando de dores, dentro de uma ambulância da Urgência, para atravessarem o rio Sergipe, viria à devida importância da Ponte, como a maioria absoluta dos moradores da Barra vê. Excetuando-se, aí, uma centena e meia de CC’s – cargos em comissão ocupados por petistas e “aliados”, ou ‘cegos’.
    A Ponte Barra dos Coqueiros/Aracaju (este cidadão, autor deste trabalho, mora na Ilha de Santa Luzia desde 1969, sendo alagoano de Piassabussu, radicado em solo sergipano há 38 anos – havia Município, à época, apenas 5 mil e 300 habitantes – conforme o Censo de 70 do IBGE), é uma das mais importantes obras públicas que beneficiará a metade da população de Sergipe diretamente e, se a outra metade quiser, também será beneficiada.
    Dessa forma as grandes obras públicas no Município como as do Porto Marítimo; do Fórum (a Comarca Judiciária da Barra instalada em 99, onde foi inaugurada a sede do Fórum) e finalmente a Ponte Construtor João Alves – cuja extensão de 500 m (tornou-se a moderna Rodovia Dês. Antônio Xavier, a mesma homenagem póstuma que recebeu a sede do Fórum, a mais nova via pública sai enfrente ao órgão Judiciário) da mesma largura das pistas da Ponte e asfaltada e sinalizada, bem como bem iluminada, sai em frente ao Fórum, maior comodidade para os serventuários, estudantes-estagiários, juizes de Direito, promotores de Justiça, defensores Públicos, Advogados e outros cidadãos e cidadãs que residem em Aracaju. Isso é Progresso!

    Ramos*,Cidadão E-mail:ramosestudantededireito@yahoo.com.br

    PONTE ARACAJU-BARRA DOS COQUEIROS:
    A CHEGADA DA PRIMAVERA SINTÉTICA (V)

    *JOSÉ RAMOS DOS SANTOS

    Ou seja, a obra é pública – construída quase integralmente (95% ou R$ 128 milhões) de nossos impostos estaduais, uma vez que o Executivo Federal boicotou e vetou recursos oriundos da União a pedido de aliados de oposição à ponte e a própria Sociedade Civil sergipana, temendo perder espaço político nas eleições de 2006. O governo Federal com má vontade liberou uma “verbazinha”, para a magnitude social da Ponte (apenas 5%, ou R$7 milhões dos 135 gastos na obra).
    Mesmo assim, com essas adversidades insanas de políticos “provincianos”, de esquerda e centro – ex-direita -, quem diria, a Ponte foi inaugurada em 24 de setembro – dia seguinte à chegada da primavera -, estará aberta e a disposição, claro, das populações dos 75 Municípios sergipanos e de outros estados brasileiros e outro países estrangeiros.
    O segundo revestimento definitivo de asfalto, de parte de duas das 4 pistas da obra somente foi concluída entre os dias 26 e 28 de dezembro de 2006, quando foi posta a segunda camada do produto, onde ainda faltava, havendo apenas uma, concluindo totalmente a construção da Ponte, inclusive sua extensão, de 500 m, a nova Rodovia – faltando concluir nesta, apenas (até o dia 31/12/06) mais ou menos 200 m do passeio dos dois lados, o que continuou depois de feriado de ano novo (2007), pela mesma empresa. – além da ESMA responsável pela construção, outras empresas também trabalharam na obra.-, cujos operários merecem o reconhecimento público.
    O passeio, além de essencial e seguro para pedestres é ótimo para caminhada, muito bom para manter a forma física e mental, e para completar, há uma incrível paisagem: de um lado coqueirais e do outro manguezais; ao fundo, final da nova Rodovia, há outra “recepção” natural e sintética, um circulo e outras figuras geométrica com coqueiros, ladeados por pequenas vias de asfaltos, ao fundo da Rodovia Dês. Antônio Xavier há pés de eucaliptos, cujas belezas naturais contrastam com a da arquitetura moderna do Fórum e o trevo com Rodovias municipais de asfalto.
    Tudo isso no lado da Barra, que além de ser um convite à caminhada (observando e absorvendo), mantém a forma física e mental, e claro atenua o estresses, o que é excelente para o coração – ou seja, a “obra de arte especial”, trouxe também, nesse sentido melhoria na qualidade de vida dos barra-coqueiresses (mente sandia). Ainda da Ponte, sentido Aracaju, pode ser vista uma montanha verde – Morro do Urubu, onde fica o Parque da Cidade, agora com a imagem da Padroeira da Capital, de 15m de altura que é vista também da nova Rodovia, completando esse cenário de beleza natural e sintético.
    Os pedestres conquistaram seu espaço com um passeio. Tudo com segurança -, com uma calçada de 1,7 m de largura e 70 cm de altura do asfalto, além de uma grade ao lado por toda extensão da Ponte de 1,6 m, com mesma estrutura os ciclistas ganharam uma ciclovia do lado oposto da calçada dos pedestres – que deve ser respeitado pelos ciclistas; e estes têm agora uma ciclovia (bicicleta também é veículo, para o Código Nacional de Brasileiro-CBT, de propulsão humana), ambos em sentidos opostos, tanto na Ponte quanto na Rodovia.
    Ainda na Rodovia o então governador reservou um terreno (de propriedade do DRE/SE) para ser construída a sede da CPRV, que estão presentes desde a inauguração da obra nas duas extremidades da Ponte, onde prestava relevante serviço a sociedade civil que passava por ali – mas, desde o início de 2007 não se ver mais a CPVR, nessas localidades, porque será? Assim o sonho poderá virar pesadelo: imprudência de alguns condutores e motoqueiros que trafegam em média em 80Km/h, quando o máximo nas pistas da Ponte é de 40Km/h – ainda podendo haver rachas de veículos e acrobacias de motos, como andar em um pneu – as pistas são novas e boas.
    Com uma segura divisão nas laterais da obra com estrutura de concreto de 70 cm de altura, os pedestres foram privilegiados fazendo jus a seus impostos, onde moradores da Barra e de Aracaju, áreas mais próximas, ganharam uma pista para caminhada de 1,85 Km de cumprimento (extensão da Ponte), ou 3 mil e 700 m, ida e vinda. Sendo que do lado da Ilha tem mais 500 m de extensão da nova Rodovia, perfazendo (1000 m ida e vinda) ou totalizando 4,7 Km, do início da Ponte, em Aracaju, até o final da Rodovia na Barra.
    Assim que os 250 m, dos 500 do passeio da Rodovia, estiverem prontos – apenas deixou de ser concluído parte do passeio e ciclovia da Rodovia que interliga a ponte e ao trevo, lado da Barra – o que vem sendo feito em janeiro, pela mesma empresa. Pois é, com toda essa estrutura da Ponte, o Município voltará a ser como no passado remoto (parece àqueles filmes de ficção:
    De volta ao “futuro”, a diferença é que a Ponte é uma realidade). E europeus já faziam visitas às costas da Ilha de Santa Luzia por via marítima, e agora com essa “abra de arte especial”, não somente europeus, mas turistas do Nordeste e outras Regiões do país e de outras nações virão por via terrestre. Há gestores capitalistas, com visão social empreendedora, que fazem Pontes, há, porém, outros, socialista-comunistas que fazem (ou inventam) murarias.

    Foto aérea das Costas da Ilha de Santa Luzia – Barra dos Coqueiros-SE.

    .Visão deslunbrante das praias da “Costa” e de Atalaia Nova. Com a inauguração da Ponte àquela praia vem recebendo mais turistas. É preciso, contudo que cidadãos-moradores da Barra e turistas usufruam desse Paraíso, mas preserve-o. (Foto do Site do jornalista Osmário).

    Concordo, ainda, como ser humano, cidadão e contribuinte com aqueles governantes – de qualquer tendência política, desde que sejam íntegros, honestos e de moral ilibada -, que unem o capital ao social (o útil ao agradável), utilizando nossos impostos coerentemente e constroem “Pontes” que sejam utilizadas para facilitarem e aproximarem pessoas de pessoas, “ilhas às terras firmes”, de “culturas às trevas”, de “educação a cegos”, de “progressos ao marasmo”. E transformando sonhos em idéias e estas em realidades.
    É certo e bravamente, também, que esses governantes empreendedores lutem para que seus opositores não impeçam a chegada da “primavera” sintética – a produzida pelo homem -, ou seja, obras de grandes Referências Públicas, que a oposição tentou obstruir- mas foi derrotada -, o interesse coletivo da sociedade civil que é soberana. Aquele “intercâmbio”, que interliga, pessoas a pessoas, coisas a coisas, e objetos a objetos, é sinal de civilização e democracia, ou seja, é uma “Ponte”.
    Este cidadão fundou em setembro de 2006 uma Organização – que será composta por outros cidadãos do Município e de Aracaju, bem como outras localidades do Estado -, para lutarmos social, democrático e pacificamente, através das instituições democratas – Ministérios Públicos Estadual-MPE/SE e Federal-MPF -, imprensa e toda a mídia, pela preservação do projeto original da Ponte. Como: iluminação com reflexos azul, cor azul das grades laterais, a cor cinza do concreto de todas colunas, inclusive a das 4 principais, sobre a mesma, e das muretas por toda sua extensão e da nova Rodovia que a interliga.
    Também por mobilização da sociedade civil denunciaremos esse suposto “vandalismo” institucional ou qualquer outro, como as pichações – aliás, a Organização apagará todas que estão (e as que forem feitas), com cimento diluído em água, para manter a cor cinza do concreto.Se percebermos que os atuais governantes do Estado (o novo coronel Marcelo Deda), do Município da Barra (Airton Martins – que equivocadamente queria “inaugurar” a obra do lado do Município, palhaçada!), e de Aracaju (Nivaldo Nogueira).
    Todos do bloco de esquerda, e vinculados à oposição e contra a obra, ainda quando a mesma estava sendo construída – tentarem modificar a estrutura da Ponte: arquitetônica, iluminação, cor etc., sempre denunciarem aos Poderes e Órgãos Públicos citados. Pois, a Organização é uma espécie de ‘amigos da Ponte’, e como tal lutará pela sobrevivência do sonho, da idealização e realização da grande obra no original.
    (FINAL)
    *Ramos, Cidadão – E-mail:ramosestudantededireito@yahoo.com.br/

  • dc

    Outro pormenor!!!
    A ponte irá ter protecção contra Tsunamis?

    CUMPS

  • http://ocasionalidades.wordpress.com/ Vasco

    Estação de Serviço ou Estação Espacial? :-)