As cartas de Clenardo sobre Portugal e os portugueses de 1535… ou 2012?

5 anos ago by in Portugal
Flag of Portugal

Humanista e pedagogo do Renascimento, Nicolau Clenardo, permaneceu em Portugal durante cerca de cinco anos , e foi em Março de 1535 que escreveu a Látomo, as famosas Cartas de Clenardo, que falam sobre Portugal e os portugueses da época. Nada disto seria estranho, não fosse que mais de 470 anos depois dessas cartas terem sido escritas, parecem descrever o Portugal e os portugueses de hoje…

Nicolau Clenardo sobre Portugal

Clenardo viveu em duas partes de Portugal, a saber no Alentejo (Évora) e no Minho (Braga). Nas suas cartas, também fala, embora muito menos, das cidades Coimbra e Lisboa e de algumas vilas ou aldeias no Minho e no Alentejo.

A sua apreciação do Minho e do Alentejo é muito diferente.

Clenardo considera o Minho uma região muito bonita :

“Não se pode negar seguramente que em toda a região desde Braga até ao rio Minho, os montes e os campos são de uma admirável beleza deleitosa, e que a água jorra por toda a parte de fontes, que só por si eram bastantes para me encantar. (Clenardo 1926:325)

Todavia, prefere a Galiza. Não porque seria mais bonita, mas porque a comida e o conforto lhe agradam mais:

“Certo é que o vinho, o pão, a carne, tudo aquilo enfim que convém a viajantes cansados, se encontra na Galiza muito melhor que em Portugal. (Clenardo 1926:325)

Do Alentejo, Clenardo não gosta nem um pouco. Na sua opinião, o Alentejo é um autêntico inferno. As razões deste seu ódio em relação ao Alentejo são várias:

– o calor e a seca:

“No mês de Julho tudo aqui fica abrasado e a tal ponto, que na cidade inteira dificilmente se encontra um poço que não seque completamente. Para se não morrer à sede, é necessário mandar fora buscar água antes do romper de alva. (Clenardo 1926: 283)

– a rudez dos alentejanos:

“Havia ali só uma estalagem. Dirigi-me ao dono: Olá estaladeiro, cá há palha? Mas o raio do Polifemo continuou a passear e não se dignou de responder uma palavra sequer. Enfim, lá respondeu a custo e de muito mau modo: Não sei. (Clenardo 1926:389)

– a má qualidade das hospedarias:

“Antes de entrarmos no tal sertão, chegámos já por horas mortas a uma hospedaria, mas que hospedaria, Senhores!, só ela de per si era suficiente para fazer expiar a Erasmo o ter coberto de descrédito a Alemanha por causa das suas estalagens. (Clenardo 1926:388)

– a abundância de escravos:

“Mal pus pé em Évora, julguei-me transportado a uma cidade do inferno: por toda a parte topava negros. (Clenardo 1926:278)

Nicolau Clenardo sobre os portugueses:

Falando sobre os portugueses, Clenardo sublinha três aspectos dominantes: a preguiça, a vaidade e a devassidão.

– a preguiça:

Na opinião de Clenardo, os portugueses são o povo mais preguiçoso do mundo. Os alentejanos são ainda pior do que os outros, pois ele considera o Alentejo praticamente como uma região africana:

“Se há algum povo dado à preguiça, sem ser o português, então não sei eu onde ele exista. Falo sobretudo daqueles que habitam além do Tejo, e que respiram de mais perto o ar de África. (Clenardo 1926:271)

Segundo Clenardo, os portugueses querem sempre trabalhar o menos possível:

“Em Portugal, todos somos nobres, e tem-se como uma grande desonra exercer alguma profissão. (Clenardo 1926:273)

O resultado é que a agricultura se arrasta miseravelmente e que há uma grande falta de artífices:

“Se algures a agricultura foi tida em desprezo, é incontestavelmente em Portugal. (Clenardo 1926:271)

“Aqui não há grande abundância de artífices, e não é costume que eles ofereçam as suas mercadorias. (Clenardo 1926:273)

Para sustentar a economia, os portugueses precisam de artífices estrangeiros e de escravos:

“Se uma grande quantidade de estrangeiros e de compatriotas nossos não exercessem cá as artes mecânicas, creio bem que mal teríamos sapateiros ou barbeiros. (Clenardo 1926:271)

“Os escravos pulam por toda a parte. Todo o serviço é feito por negros e mouros cativos. Portugal está a abarrotar com essa raça de gente. Estou a crer que em Lisboa os escravos e as escravas são mais que os portugueses livres de condição (Clenardo 1926:273)

Até há portugueses que criam escravos para eles fazerem bons lucros com a venda dos filhos nascidos em casa:

“Chega-me a parecer que os criam como quem cria pombas para levar ao mercado. Longe de se ofenderem com as ribaldias das escravas, estimam até que tal suceda, porque o fruto segue a condição do ventre. (Clenardo 1926:274)

– a vaidade:

Nas suas cartas, Clenardo sublinha que os portugueses não só detestam o trabalho, como também querem viver como grandes senhores. Na sua opinião, o português vive para o público, faustosamente:

“Há aqui uma chusma desses faustosos, que trazem todavia pela rua atrás de si maior número de criados do que de reais gastam em casa. (Clenardo 1926:279)

Para poderem viver desta maneira, os portugueses às vezes até passam fome:

“Se quisesse condescender com os costumes desta terra, começaria por sustentar uma mula e quatro lacaios. Mas como seria possível? Jejuando em casa, enquanto brilhava fora como um triunfador. (Clenardo 1926:279)

– a devassidão:

Segundo Clenardo, os portugueses são, para além de serem preguiçosos e vaidosos, devassados:

“Vénus, em toda a Espanha, tem culto público não menos que outrora em Tebas, e mormente em Portugal então, onde creio que seria uma coisa extraordinária ver um mancebo contrair uma ligação legítima. (Clenardo 1926:274)

Clenardo insiste que todos os portugueses acabam por se comportar dessa maneira, há somente uma importante excepção: a corte portuguesa.

“Nem a nobreza da sua origem, nem a sua alta hierarquia, nem as riquezas o impediram de se dedicar ao estudo. Que, apesar da púrpura, os filhos del-rei D. Manuel vivem tão modestamente, que mal excedem em grandeza aos homens do povo. (Clenardo 1926:382)

Clenardo sobre a vida em Portugal:

Clenardo queixa-se muitas vezes da carestia da vida em Portugal. Embora ganhe o dobro do que lhe dava a sua pátria, não tinha que encarecer excessivamente essa quantia.

“Não há terra onde todas as coisas sejam tão caras; não direi sequer que um thaler do Reno em Lovaina vale mais do que um ducado de oiro aqui em Portugal. (Clenardo 1926:271)

Para poder explicar melhor, Clenardo dá o exemplo do custo da barba:

“Que diria, santo Deus!, o meu tio, o recebedor de Diest, se eu lhe fosse pedir para tratar da barba uma renda anual de quinze florins, – quantia que excede o património de muito boa gente! E não obstante, tenho vivido assim há perto dum ano. Se eu oferecer menos, o homem da navalha não voltará, e (o que vos ajuda melhor a conhecer estas criaturas) não voltará ainda que se insiste com ele. (Clenardo 1926:272)

Excertos de «As cartas do humanista Nicolau Clenardo sobre Portugal», Jeroen Dewulf

One Response to “As cartas de Clenardo sobre Portugal e os portugueses de 1535… ou 2012?”


Luis Melo
27/09/2012 Responder

Após as citações aparece (1926:,,,). Não é 1535?

Leave a Comment