Marcação CE – EN 1090 Execução de Estruturas de Aço e Alumínio

5 anos ago by in Engenharia, Estruturas, Legislação
ce_logo

Ao abrigo da Directiva dos Produtos da Construção, EN 1090-1:2009/AC:2010, entra em vigor a 1 de Julho de 2012, a EN 1090 – Execução de estruturas de aço e de estruturas de alumínio.

A entrada em vigor da referida norma determinará uma série de novas obrigações para as empresas, o controlo de produção de componentes, a necessidade ou não de ensaios para cumprimento da mesma, quais os procedimentos a adoptar pelas empresas e qual o esquema a utilizar quanto à marcação CE.

A EN 1090-1:2009/AC:2010 (obrigatória a partir de 1 de Julho de 2012), referente à execução de estruturas de aço e de estruturas de alumínio, diz respeito nesta primeira parte, aos requisitos de avaliação da conformidade de componentes estruturais, respeitante a toda a execução de estruturas de Aço e Alumínio, destinadas a edifícios e/ou estruturas.

CERTIF controla processo de fabrico segundo o Sistema 2+

A 1 de Julho de 2012 terminará o período de coexistência da norma e será obrigatória a marcação CE das estruturas de edifícios e/ou estruturas, executadas em aço e alumínio. Neste caso, obrigará a um controlo «sistema 2+», no qual há intervenção de organismo notificado (CERTIF – Associação para a Certificação), na realização de uma inspecção ao controle do processo de fabrico da empresa (auditoria).

O sistema 2+ difere dos demais porque estabelece uma maior intervenção do fabricante. Este para além de possuir um controlo da produção, terá de realizar os ensaios iniciais e os periódicos ao produto na fábrica ou num laboratório exterior. Deve também solicitar a um organismo notificado a certificação do controlo da produção da fábrica e o respectivo acompanhamento. O organismo notificado pode recorrer a organismos de inspecção para a realização auditorias ao sistema de controlo do fabricante.
A declaração de conformidade é elaborada pelo fabricante, com base num certificado de conformidade do controlo interno da produção emitido pelo organismo notificado.

Tarefas do Fabricante

  • Ensaios de tipo iniciais
  • Controlo interno da produção
  • (Ensaio de amostras segundo programa prescrito)

Tarefas do Organismo Notificado

  • Certificação do controlo interno da produção com base numa inspeção inicial e no acompanhamento permanente desse controlo

Base para a Marcação CE

  • Declaração de conformidade pelo fabricante com base num certificado de conformidade do controlo interno da produção

EN 1090-1

EN 1090-1 Execution of steel structures and aluminium structures – Part 1: Requirements for conformity assessment of structural components
EN 1090-1 Execução de estruturas de aço e de estruturas de alumínio – Parte 1: Requisitos de avaliação da conformidade de componentes estruturais

  1. Objetivos e campo de aplicação;
  2. Referencias normativas;
  3. Termos, definições e abreviaturas;
  4. Requisitos de conformidade;
  5. Métodos de avaliação da conformidade;
  6. Avaliação da conformidade;
  7. Classificação e designação de componentes;
  8. Marcação;
  9. Abordagem de especificação;
  10. Abordagem ao FPC – Controlo de produção em fábrica;
  11. Abordagem aos Anexos ZA.1/2/3
  • Características de desempenho;
  • Procedimentos para comprovação de conformidade de componentes estruturais em aço e alumínio;
  • Marcação e rotulagem.

 

EN 1090-2

EN 1090-2 Execution of steel structures and aluminium structures – Part 2: Technical requirements for the execution of steel structures

  1. Introdução e enquadeamento da norma;
  2. Constituintes dos produtos em aço;
  3. Preparação e assemblagem;
  4. Soldaduras;
  5. Ligações aparafusadas;
  6. Execução;
  7. Tratamento superficial;
  8. Tolerâncias geométricas;
  9. Inspeção, teste e correção.

EN 1090-3

EN 1090-3 Execution of steel structures and aluminium structures – Part 3: Technical requirements for the execution of aluminium structures

en 1090, Norma 1090,

Leave a Comment